terça-feira, 5 de setembro de 2017

Areias Mortais, uma catástrofe ambiental se encaminha

Nestes últimos anos venho denunciando um dos maiores crimes ambientais cometidos no hemisfério sul do Planeta. O descarte criminoso de Contaminantes Industriais que acumula milhares de toneladas no estuário da Baía Babitonga represadas pelo dique do fechamento do Canal do Linguado em São Francisco do Sul, SC.
Nesta edição 075 do Jornal O Joinvilense (JOI) o tema é, mais uma vez, destaque.
Com o título "Areias Mortais", na matéria de capa, a reportagem chama atenção para proposta de vereador joinvilense que vem ao encontro do poder econômico e deve resolver um enorme problema de passivo ambiental das indústrias de fundições. Todavia, pode ampliar nacionalmente o desastre que há décadas tem sido praticado contra o meio ambiente na região.
A matéria denuncia que a maior fundição do mundo no setor, a Tupy Fundições S.A., em parceria com a Metalúrgica Schulz S.A.,  vêm investindo para que seus rejeitos industriais possam ser descartados também na agricultura. Para tanto, outro nome já está em uso para o mesmo lixo industrial.
As que antes eram chamadas Areias Descartáveis de Fundições (ADF) agora são denominadas Areias Verdes de Fundições (AVF).
Na página 2, em editorial com o título "Tupy se comporta como culpada", o Jornal O Joinvilense revela a forma nada democrática de como a empresa se relaciona com a imprensa e alerta para mais uma possível retaliação contra o periódico. Mas, também, confirma uma prática do mercenário mundo capitalista. As empresas fazem lobby com legisladores joinvilenses para verem aprovadas uma lei que as beneficiariam para livrarem-se de enorme passivo ambiental acumulado nos últimos anos em seus depósitos. No caso da Tupy, no mangue do estuário da Babitonga.
Na página 3 o tema não é diretamente abordado, todavia destaca a importância do voluntariado em defesa do meio ambiente de duas entidades de Joinville que têm nos seus históricos marcante ação na educação e conscientização ambiental. Tratam-se da Oscip ambientalista Instituto Viva a Cidade (IVC) e da ONG Clube de Oratória e Liderança (COL) que estarão representando Joinville no maior e mais importante evento de Educação Ambiental do País, no período de 17 a 20 de setembro, quando acontecem o IX FBEA - Fórum Brasileiro de Educação Ambiental e o IV ECEA - Encontro Catarinense de Educadores Ambientais, em Balneário Camboriú, SC.
É na página 4 do jornal que a matéria sobre os Contaminantes Industriais de Fundições (CIF) complementa-se com um jornalismo investigativo, científico e aprofundado.
Além das afirmações de especialistas contra o que tem defendido as indústrias de fundições e seus lobbies junto aos governos municipais, estaduais e federal, a ponto de já terem conseguido alterar padrões de lei ambiental estadual catarinense (Consema), tornando-a menos restritiva que Lei Federal (Conama), a reportagem traz, também, um histórico de morte e violência contra jornalistas que têm se arriscado enfrentar o assunto.
Esta edição do Jornal O Joinvilense (JOI) transforma-se, assim, num documento público para que a sociedade civil organizada possa embasar ações contra esse catastrófico crime que se consolida liderado por forças econômicas e políticas do mais industrializado município catarinense, Joinville.
Os links abaixo trazem um histórico de mais de uma década desta luta que vem ganhando força nacional e internacional de apoio. Confira.

Outras investigações e denúncias ambientais relatadas neste blog
O desastre da Tupy não Vale?  
Morte de Ambientalista. Aumentam suspeitas sobre Joinville  
Ambientalista morto tem seu último pedido atendido  
Denúncia de ambientalistas obriga Fatma a mudar procedimentos
Jornalismo continuado, denúncias têm desdobramentos  
Sindicato analisa posicionamento em defesa de jornalista 
Radialista alerta atitude perigosa da Tupy Fundições  
Prossegue o embate sobre areias de fundição  
Reação de gigante poluidor contra jornalista joinvilense
IVC denuncia prefeituras de Araquari e Balneário Barra do Sul  
Defensoria Social e IVC denunciam prefeitura de Balneário Barra do Sul no MPF 
IVC reage à graves violações
Loteamento com aterro de rejeitos é denunciado pela Defensoria Social  
Minha casa, o fim da minha vida 
"O GIGANTE acuado" já está na livraria  
Acontecimentos inesperados, consequências de incalculáveis repercussões 
Diálogos para um Brasil Sustentável
Livro de jornalista joinvilense é destaque em campanha nacional  
Fui eleito Parceiro da Paz e Sustentabilidade
12/12/12, uma data enigmática
Defensoria Social escolhe Joinville
 

R$ 50 milhões de indenização 
"Deus" tremendo filho da puta
IVC denuncia no MPF duplicação inadequada da Av. Santos Dumont
Joinville amplia seu "Muro de Berlim"
IVC e Defensoria Ambiental pedem embargo de obra da Rôgga em Joinville
Empreendimento da Rôgga em Joinville sofre resistência por supostos danos ambientais
Grupo empresarial Hera Sul tenta impedir minha liberdade de expressão
Sindicato manifesta apoio ao meu jornalismo investigativo
Empresas do PR são denunciadas por crimes ambientais e sonegação fiscal em SC
Governo catarinense é denunciado pela Defensoria Social e IVC

Imperdível, assustador, pois o veneno está à mesa
Barrancos, em Garuva (SC), terra-sem-lei

Uma arma à cabeça, um tiro. Jornalismo é profissão de risco

Nenhum comentário:

Postar um comentário