quarta-feira, 27 de julho de 2011

Tirei-as da mesa do restaurante

Na última linha desse post tem um vídeo do meu mergulho de batismo de Fernando de Noronha onde registrei um passeio inesquecível de uma tartaruga. Mas, antes a história com o trio da foto. Gosto de cozinhar. Se pudesse o fazia todos os dias. Me é um ato terapêutico, prazeroso. Já tenho uma "clientela" de amigos que ficam esperando por um convite à minha mesa. Alguns são "caras-de-pau" e ainda escolhem o cardápio. Atendo-os sempre. Como gosto dessa liberdade que eles têm comigo!
Desse trio, abaixo, duas delas aprontaram para esse momento. As três são diretoras do COL (Clube de Oratória e Liderança).

Jéssica Andrade, Mônica Robert e Rúbia Welter

No meio da tarde liguei para a minha filha e a convidei para jantar comigo. Desde que havia ido para Fernando de Noronha que eu não cozinhava e estava com saudade de fazê-lo. Era quarta-feira, 20 de julho, mas ela aceitou na hora e deixou por minha conta o cardápio. Comecei a cozinhar às 19h para servir às 21h30. Eram 21h, aproximadamente, meu fone celular tocou e alguns segundos depois Jéssica chegava à minha porta. Era a Mônica me convidando para jantar com ela e a Rúbia numa Cantina que elas tiveram que esperar um bom tempo por uma mesa. Acabaram de sentar e decidiram me chamar porque tinham uma boa notícia para me dar e comemorar.
Eu disse à Mônica que a Jéssica acabara de chegar, que eu estava cozinhando uma galinha caipira ensopada e que era para ela e a Rúbia virem jantar conosco. Acreditem, a Mônica não convidou a Rúbia, a intimou. E a Rúbia não emitiu um único ruído de protesto. Mais rápido do que um raio a resposta foi: "Já estamos indo" e chegaram menos de 20 minutos depois. Conseguem imaginar a cena lá no restaurante?
A galinha era enorme. Grande mesmo. Essas mulheres comeram bastante. Lamberam os dedos (galinha caipira com aquele molho, obriga a isso). Sobrou para mais uma refeição, para um, apenas...
- Que delícia!
- Que molho!
- Como está bom!
- Que sabor!
Foram algumas exclamações do gênero das minhas "clientes".
A Mônica, como tantos outros "clientes", me intimou a abrir um restaurante.
Minha comida é só para quem me é especial.
Antes disso, enquanto eu ultimava o jantar (elas na cozinha comigo), deixei que olhassem algumas imagens que fotografei em Fernando de Noronha. O vídeo que posto abaixo elas não assistiram, não deu tempo. O cheiro da comida por conta dos temperos da minha alquimia culinária aumentou a fome e o resto da noite foi para a mesa, que terminou forrada de ossos.
No vídeo acompanho uma tartaruga que passeava entre o grupo que eu acompanhava no primeiro mergulho, aliás, o mergulho de batismo em Fernando de Noronha. Inesquecível.

video

Segue link da postagem anterior sobre Fernado de Noronha
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2011/07/fernando-de-noronha-ainda-e-um-sonho.html

Seguem links de postagens de outros jantares
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2011/02/jantares-e-entrevistas.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2011/01/bons-lugares-para-viver.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2011/02/da-janela-de-um-trem.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário